logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/it.gif
   
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Beata Alexandrina
Mensagem
Mística
Orações
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação

Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

2016-11-27 — MRBeata

2016-11-27

Alexandrina:

«Anseio pela eternidade, porque só lá saberei agradecer a Jesus o ter-me escolhido para viver esta vida de contínuo sacrifício, ansiando só por amar Jesus e salvar as almas. Sei que bem poucas almas me compreenderão, mas uma só coisa me basta: Jesus tudo compreende.»

(Autobiografia)

 

Alexandrina:

«Mas mesmo assim iria a procura de novos mundos, a mendigar amor para amar a Jesus. Ai, meu Paizinho, quanto mais vou, mais quero ir. Parece-me que estou a arder, mas debaixo duma dor que me cobre. O dia de hoje tenho-o passado assim. Queria dizer tanto e acabo por não dizer nada.»

(C.P.M.; 19/12/1939)

2016-11-20 — MRBeata

2016-11-20

Alexandrina a Jesus: «Compadecei-Vos dele, meu Jesus. O que ele está é despreocupado e não pensa na salvação eterna? É tão pequenino o número que se compenetra do mal que os espera? Jesus, não falemos mais de males. Dizei-me que só tendes amor e misericórdia para os pobres pecadores.»

(Êxtases; 19/01/1940)

 

Jesus a Alexandrina: «Cedi a vontade dos homens, o que jamais voltarei a fazer. Muitos acreditam mas não querem dar a mão, nem querem o acto de humildade. Muitos acreditam. Quero dar-lhes asas para voarem, quero dar-lhes toda a luz para se iluminarem. Abro-lhes o caminho, mostro-lhes o poder para os salvar.»

(S.A; 10/06/1955)

 

Jesus a Alexandrina: «Vive a vida do amor sem sentires o amor. Vive a vida da fé ardente sem sentires os seus efeitos. São os pecadores a converterem-se, são as almas a salvarem-se; acode-lhes, acode-lhes. Acreditas em Mim e que estou contigo?»

(S.A; 17/06/1955)

2016-11-06 — MRBeata

2016-11-06

Alexandrina a Jesus: «Sois um louquinho de amor por ele? Grande prémio lhe preparais? Ele é incansável pelas almas? No meu caso todos trabalharam? Vós, Jesus, a Mãezinha, o P. e eu sempre firme a receber tudo que Vos me dáveis? E eu fui subindo? E agora, Jesus? Agora estou perto da minha Pátria, o Céu, o Céu é para mim, Jesus? Nem se pergunta?»

(Êxtases; 31/10/1938)

 

Alexandrina a Jesus: «Tínheis amor para todos? Quereis muitas almas? Mas a minha missão, a minha missão na Terra não pode ser muito longa? Tenho as minha forças perdidas? Vós é que estais a sustentar-me, para poder chegar ao meu termo? Continuá-la-ei no Céu? Dou-Vos almas, muitas almas? Ó Jesus, isso quero eu? O Vosso Divino Coração está esmagadíssimo?

(Êxtases; 11/11/1938)

2016-10-16 — MRBeata

2016-10-16

Alexandrina: «Em espírito aos Sacrários! Ó meu querido Jesus, queria-Vos ir visitar aos Vossos Sacrários mas não posso, porque a minha doença me obriga a estar retida no meu querido leito de dor. Faça-se a Vossa vontade, Senhor; mas, ao menos, meu Jesus, permiti que nem um momento se passe sem que às portinhas dos Vossos Sacrários eu vá em espírito dizer-Vos:

“Meu Jesus, quero-Vos amar, quero abrasar-me toda nas chamas do Vosso amor e pedir-Vos pelos pecadores e pelas almas do Purgatório!”»

(Pensamentos Soltos)

 

Alexandrina: «É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do

Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida?»

(Êxtases, 1941)

2016-10-13 — MRBeata

2016-10-13

Alexandrina convida-nos:

“Vinde, vamos todos para o Céu”

«Levei a minha vida a sofrer, e levarei o meu Céu a amar e a pedir a Jesus por vós, ó pecadores. Convertei-vos e amai a Jesus, amai a Mãezinha.

Vinde, vamos todos para o Céu.

Se sentísseis, por algum tempo, os martírios que por vós sofri, estou convencida de que não pecaríeis mais. E, se conhecêsseis o amor de Jesus, então morreríeis de dor por O terdes ofendido!

Não pequeis, não pequeis; Jesus criou-nos, Jesus é Pai.

Sou a pobre

Alexandrina Maria da Costa.»

(Sentimentos da Alma; 25/07/1947)

 

Alexandrina:

Ato de renúncia total:

« “O Jesus Amor, ó Divino Esposo da minha alma, eu que na vida sempre procurei dar-Vos a maior glória, quero na hora da minha morte fazer-Vos um ato de resignação à vinda do meu Paizinho Espiritual; e assim, meu Amado Jesus, se neste ato der maior glória à Trindade Santíssima, eu jubilosamente me submeto aos Vossos eternos desígnios, renunciado à felicidade que a presença do meu Paizinho me daria, para só querer e implorar da Vossa Misericórdia, o Vosso reinado de amor, a conversão dos pecadores, a salva­ção dos moribundos e o alívio das almas do Purgatório.»

Imediatamente, seguiu-se o ato de resignação da sua morte, assim:

“Meu Deus, como sempre Vos consagrei a minha vida, Vos ofereço agora o fim dela, aceitando resignada a morte acompanhada das circunstâncias que Vos derem maior glória.”.»

(12/10/1955)

2016-10-09 — MRBeata

2016-10-09

Alexandrina: Alexandrina: «É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida?»

(Êxtases, 1941)

 

Jesus a Alexandrina: «“Anda, filhinha, meu amor, para os meus sacrários; não posso mais com tanto esquecimento e tanto abandono e tanto pecado. Prostra-te diante dos meus sacrários com toda a humildade e amor a pedir-me pelos pecadores.»

(Cartas ao Pe. Mariano Pinho, 1934)

2016-09-25 — MRBeata

2016-09-25

Alexandrina a Jesus: «Pobres almas, não querem escutar-Vos; fugiam de Vós loucas para a perdição.»

(S.A.,1942)

 

Alexandrina a Jesus: «Ofendeu muito a Jesus, mas foi grande o seu arrependimento, a sua dor. Que grande dita para uma crucificada e esposa de Jesus dar-lhe as almas que tanto o magoaram e feriram. Bendita seja toda a dor que me dais, bendito seja o remédio das almas.»

(S.A.,1942)

 

Jesus a Alexandrina: «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(S.A, 1945)

 

Alexandrina: «O tudo desceu ao nada. A grandeza desceu à pobreza. O amor desceu à frieza, à tibieza, à miséria, à indignidade. Que grande amor é Jesus. Desceste do mais alto ao mais baixo.

Jesus, dai-me fogo, dai-me amor; amor que me queime, amor que me mate. Eu quero viver e morrer de amor.

Jesus, seja o Vosso Divino amor a minha vida! Seja ele, e só ele, a minha morte!

Jesus, eu quero amar-Vos, amar-Vos até à loucura, amar-Vos até morrer de amor.

Jesus, quero ser a predileta, a loucura do Vosso amor, perder-me na imensidade do Vosso amor.»

(P.S.; pág. 69)

2016-09-18 — MRBeata

2016-09-18

Jesus a Alexandrina:

«“Minha filha, ó minha amada, Eu estou contigo. Oh! Como eu te amo! São tão fortes as cadeias de amor que me prendem a ti que as não posso quebrar, não te posso abandonar. Sê-me fiel, ama-me muito, deixa o mundo por completo, que não te pertence. Não queiras aquilo que não é teu. O mundo a quem deves amar, servir e prestar todas as homenagens sou Eu nos meus sacrários”.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1934)

 

Alexandrina:

«Posso eu servir-Vos ainda de mais alguma coisa? Dizei Jesus e tomai tudo para Vós, que tudo Vos pertence. As almas, as benditas almas quero que sejam salvas; não quero que Vos fujam, quero que venham a Vós.»

 (Êxtases, 1940)

 

Alexandrina:

Está tão triste o Coração de Jesus? A dor que a tritura é dolorosa, é profunda? Jesus ama e os pecadores ofendem? Jesus ama e a luxúria, (notou-se grande aflição e suspendeu a frase.) a raiva infernal atinge toda a alma? Oh! Como Jesus está ofendido!? Os crimes são graves e tão variados?... Ai do mundo, ai de Portugal!? Pobre mundo se não se converte? Pobre Portugal se não corresponde ao amor e à graça que lhe são dadas pelo seu Deus?»

(Êxtases, 1941)

2016-09-11 — MRBeata

2016-09-11

Jesus a Alexandrina:

«Anda prostrar-te diante de Mim, pedir-me perdão pelo teu desânimo e pela tua desconfiança”. Sabe o que eu fiz? Disse o acto de contrição por duas vezes, pus-me em espírito diante dos sacrários e dizia: “Meu Jesus, misericórdia! Perdão, Jesus, perdão!” E estava com o meu crucifixo na mão. Que felizes momentos! Que união tão grande, que força, que me parecia apertar-me tanto! E era tal o calor que eu sentia, que me parecia que me atravessavam labaredas de fogo.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1934)

 

Jesus a Alexandrina «Ela vai velar no Céu por aqueles que na Terra tanto cuidam dela. Ela vai ser a jóia riquíssima, o cadinho que limpa os pecadores. Os pecadores enriquecem-se e salvam-se com a amada de Jesus.»

(S.A.; 1942)

 

Jesus a Alexandrina «É grande o número que por ele são guiadas e salvas. Diz-lhe que lhes fale do seu amor, da minha misericórdia. Por ele elas serão das minhas graças enriquecidas. Eu não quero que as almas sejam chamadas pela violência e pelo temor. Pobres almas basta-lhe o remorso e o temor de Me terem ofendido.

(S.A.; 1948)

2016-09-04 — MRBeata

2016-09-04

Alexandrina:

«Só raramente e por poucos instantes, eu sinto algum fervor. Dum momento para o outro, vem como que um ladrão roubar-me tudo. É a cruz que Nosso Senhor me envia: bem-vinda ela seja. Não sei como amá-la mais. Não sei como testemunhar melhor o meu amor a Nosso Senhor.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1937)

 

Alexandrina reproduz em perguntas o que ouve de Jesus:

«(Jesus) Jesus é a escola do amor, é a escola da dor? O amor inibria, a dar purifica? O amor queima, a dor repara? A dor e O amor abriram o Céu, resgataram o mundo?»

(Êxtases, 1941)

 

Alexandrina:

«A cegueira dos discípulos de Jesus e dos que se dizem seus amigos desgostam-me mais do que os crimes dos pecadores. Jesus imola as Suas vítimas para os salvar. E aqueles que deviam possuir sempre a luz divina não a querem não vão à sua procura tentando deitar por terra as causas mais sublimes de Jesus, aquilo que ele preparou de mais rico na terra, de maior glória para Si e proveito para as almas»

 (Sentimentos da Alma; 1943)

2016-08-15 — MRBeata

2016-08-15

Alexandrina:

«Meu Paizinho, cumpriram-se as palavras de Nosso Senhor: as horas do dia que passei foram tristíssimas, o coração sempre tristíssimo com os males do mundo e eu sem saber como consolar o meu Jesus. Sinto-me também inconsolável; não parece o dia da Assunção da Mãezinha querida. Como eu queria fazer-Lhe uma festinha! mas pouco ou nada Lhe sei dizer.»

(C.P.M.; 15/08/1939)

 

Alexandrina:

 «Vai “o amor” continuar no Céu ainda a salvá-las? Jesus tenho-Vos ofendido tanto; concordai comigo que é verdade, Jesus. Jesus tem sido amado pela Sua Alexandrina loucamente? Só tenho as manchas que Jesus tem permitido? Jesus precisava dum véu onde pudesse esconder-se? Está a Virgem Maria, a Mãe celestial louca de amor pela sua filhinha? Alegra-se a Virgem por ver na sua filhinha o pão, alimento de todos os seus filhinhos condenados?

Ó Jesus, não quero que a Mãezinha sofra, não quero que sofra o Vosso Divino Coração! Peço-Vos amor e força para levar a minha cruz. »

(Êxtases, 15/08/1941)

2016-08-07 — MRBeata

2016-08-07

Alexandrina:

«Quero abraçar o meu peito num abraço que ninguém pudesse arrancar. Quero guardar não sei o quê que me foi entregue e tenho que velar e vigiar. Não sei como, meu Deus, conseguir guardar, guardar bem, guardar tudo. Fujo, Jesus, fujo para o Vosso Divino Coração; seja ele o cofre bendito que me guarde para sempre a mim e a esta entrega que me foi feita a que tantos cuidados me sujeito. Ai estou bem, ai estou segura, não corro perigo eu nem aquilo que tenho que olhar e vigiar. Guardai-me sim, guardai-me para sempre.»

(Sentimentos da Alma; 14/12/1944)

 

Alexandrina:

«Ó meu querido Jesus, quero ir visitar-Vos aos Vossos Sacrários mas não posso, porque a minha doença obriga-me a estar retida no meu querido leito de dor. Faça-se a Vossa vontade, Senhor, mas, ao menos, meu Jesus, permiti que nem um momento se passe sem que à portinha dos Vossos Sacrários eu vá em espírito dizer-Vos: Meu Jesus, quero amar-Vos, quero abrasar-me toda nas chamas do Vosso amor e pedir-Vos pelos pecadores e pelas almas do Purgatório.»

(Autobiografia; 1930)

 

Jesus a Alexandrina:

«Diz tudo, tudo. Apresentei-te isto para veres que os teus pedidos são ouvidos no Céu. O que viste foi Nossa Senhora com os seus anjos, querubins e serafins com os seus instrumentos vieram preparar a tua alma e depois deram-me graças, me amaram e me louvaram como no Céu. Estão em trono à roda de ti, vieram em revoada»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1935)

2016-07-31 — MRBeata

2016-07-31

Alexandrina:

«Queria, ó meu Jesus, na Vossa presença estar dia e noite, a toda a hora, unida a Vós estar, e não Vos deixar, meu Jesus, sozinho no Sacramento, nem um momento me ausentar e dar-Vos o que possuo e que tudo a Vós pertence: o meu coração, o meu corpo com todos os seus sentidos. É toda a minha riqueza.»

(Autobiografia; 1934)

 

Alexandrina:

«Coração meu, a quem amas a não ser o teu Jesus? É a riqueza do Céu, é o amor dos Sacrários, o alimento das almas famintas do Seu amor, é o pastor compassivo das ovelhas desgarradas, que há muito Lhe têm fugido. Procura-as por toda a parte, chama-as, não descansa enquanto as não alcança. Depois de as ter consigo abraça-as, acaricia-as.»

(Autobiografia; 1935)

2016-06-19 — MRBeata

2016-06-19

Alexandrina:

«Creio em Deus Pai Todo-poderoso. Meu Deus, sabeis que eu Vos amo, ou melhor, creio em Vós e só Vós sabeis quanto desejo amar-Vos. Deixai-me enlouquecer por Vosso amor e fazei que em tudo morra a minha vontade, o meu querer, o meu eu para Vós e só Vós viverdes, meu Jesus.»

(S.A.; 1946)

 

Alexandrina:

«Ó doce Jesus, ó amor do meu amor, fazei-me forte, imolai-me; fazei-me pura, sacrificai-me. Juntai o meu sangue ao Vosso, Jesus, a minha dor à Vossa dor, o meu amor ao Vosso amor. Em Vós serei forte. Imolai nas Vossas Divinas mãos o mais pequenino cordeiro. Quero dar a minha vida pelo Vosso amor. Quero dar a minha vida para salvar-Vos as almas. Quero morrer para mim, quero morrer para o mundo; quero que em mim só haja a vida do amor. Jesus, quero viver só para salvar-Vos as almas.»

(Êxtases; 1941)

2016-06-05 — MRBeata

2016-06-05

Jesus

«”Levanta-te, toma o teu lugar, sou o teu Jesus, tenho poder para o fazer assim como tive poder para mandar levantar e caminhar os mortos.”

Já nas minhas almofadas Ele estreitou-me ao Seu Divino Coração, acariciou-me e beijou-me.

“Se o mundo conhecesse, Minha filha, o que é a vida do amor Divino!”»

(S.A.; 1945)

Jesus

«Coragem fortalece-te de Mim, levanta-te do teu desfalecimento, vem receber-me, vem comungar dentro do Meu Divino Coração. Vais receber-me, vais comungar.»

(S.A.; 1946)

2016-05-15 — MRBeata

2016-05-15

Jesus a Alexandrina: «Vive do Meu sangue, vive do Meu amor, comunica-lhes esta vida, fala-lhes das Minhas ameaças, das Minhas queixas e do Meu perdão; fala-lhes com a prudência com que lhes tens falado, é a luz do Espírito Santo a iluminar-te, sou Eu a falar pelos teus lábios.» (S.A.; 1949)

 

Jesus a Alexandrina: «Sossega, Minha pomba bela, a Minha paz é contigo. Com a consolação e alegria que Me dás esqueço as tuas faltas, faltas que permito para esconder as Minhas maravilhas, o tesouro das Minhas riquezas, o Meu amor infinito. Coragem, estou contigo!» (S.A.; 1945)

 

Jesus a Alexandrina: «Minha filha, assentamos lugar para sempre no trono de realeza, no trono do teu coração, Eu, Meu Pai e o Espirito Santo. Este para te encher dos Seus dons, do Seu amor, da Sua luz. E sabes para que, Minha esposa querida? Para tu dares, para tu comunicares às almas.» (S.A.; 1946)

2016-02-28 — MRBeata

2016-02-28

Alexandrina «Sofrerei hoje tudo para me converter deveras para Nosso Senhor, cumprindo em tudo a Sua santíssima vontade, sendo o que Ele quer que eu seja»

(Autobiografia)

 

Jesus «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(Sentimentos da Alma, 15/06/1945)

 

 

Alexandrina «Não posso suportar este nada que eu sou diante de Nosso Senhor. Além do meu sofrimento que é a minha vida sinto em mim como que uma voz poderosa que chega atá o fim do mundo e que chama com um eco que se não mede, clama amor e chama a humanidade a converter-se.»

(Sentimentos da Alma, 21/12/1945)

2016-02-14 — MRBeata

2016-02-14

Alexandrina:

«Que tentação do demónio contra a fé: o Céu não existe, não há Deus, não há almas a salvar, de nada vale sofrer assim! Não sei dizer as minhas amarguras. Sinto que ninguém me compreende; todos me desprezam e as humilhações esmagam-me. A cegueira do meu espirito cegou-me por completo.

Ó trevas, negras trevas que me matastes.

Ó meu Jesus, tinha tanto que dizer e não sei e não posso falar.»

(Sentimentos da Alma; 07/12/1945) 

2016-01-03 — MRBeata

2016-01-03

Alexandrina:

«Já Vos vou ver; já Vos vou amar; já Vos vou adorar, Jesus.

(Também cantou suavemente assim):

Eu Vos adoro, ó Deus de amor.

Eu Vos adoro, ó meu bom Pai.

Eu Vos adoro, ó meu Criador

Eu Vos adoro no santuário

Eu Vos adoro no sacramento, ó Pão Divino, o Pão Divino, da alma alimento. Jesus é meu! Jesus é meu, ó vem a mim, ó vem a mim, ao meu coração, que é só Teu, só Teu, só Teu, Jesus!...»

(Êxtases, 31/01/1941)

 

 

 

2016-01-01 — MRBeata

2016-01-01

Alexandrina

«Novo ano, nova vida, são estes os desejos o ânsias profundas do meu coração. Nova vida, sim; queria agora principiar a fazer o que até aqui não tenho feito, por não ter forças, ou não saber viver doutra forma. Quero sor pura e perfeita em todos os meus atos e ações. Quero ser de Jesus, viver só d’Ele e para Ele, para assim, inteiramente d'Ele, poder Ele tirar de mim algum proveito para as almas.»

(S.A.; 02/01/1948)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
18 de janeiro 2014
Festival de janeiras
05 de janeiro 2015
Epifania do Senhor
7 de janeiro 2018
Epifania do Senhor
12 fevereiro 2017
Celebração do Dia do Doente - Balasar
8 março 2014
Dia da Criança
30 maio 2013
Eucaristia, Adoração e Pregação | 21h00 - 24h00 | Pe. Dário Pedroso
8/9 junho 2013
Sagrado Lausperene
Novo horário das Eucaristias
Celebrações Eucaristicas
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 19h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00